Chronos



Chronos

prisão tempo

 

Com certeza, sem nenhum medo de errar sei que você, assim como eu, vive com os olhos grudados no relógio. O tempo ‘urge’ dizia um personagem de novela antiga, descrevendo a pressa que temos.

Quando criança eu acordava todas as manhãs ouvindo a voz do coelho de Alice na abertura de um programa de rádio: “eu tenho pressa, eu tenho pressa…”. E assim, aprendi mesmo sem querer, que temos que correr contra o relógio desde cedo.

 

Este é o tempo de Chronos, o tempo do relógio. O tempo que pode ser medido, mensurado e que nos devora pouco a pouco. No mito grego, Chronos, o Senhor do Tempo, devora seus próprios filhos para continuar soberano. Tal ideia nos sugere que o tempo cronológico passa sem que possamos detê-lo e que ele aniquila tudo o que produz.

Ainda na mitologia grega, há Kairós o deus do momento adequado, oportuno. Kairós surge diante de cada um de nós como a ocasião adequada de fazer o que é certo na hora certa. É exatamente aqui o paralelo destes tempos. Orientamos nossas ações por Chronos e não nos damos conta que somos seres da natureza e na natureza cada ser tem seu próprio tempo, Kairós.

Quer ver?

Você julgaria uma maçã por não amadurecer na hora que deseja comê-la? Se você é relativamente normal, dirá que não. Que seria insana tal atitude. OK!

 

Agora, a maioria de nós, e isto você não precisa confessar, eu falo por nós, critica e julga o outro por não tomar suas decisões no tempo que julgamos adequado. Não seria insano também? Olhando por Chronos e pelo mundo apressado, não. Olhando pela natureza de cada um, sim. Seria não só uma loucura, como cruel com o outro.

Cada um de nós tem seu próprio tempo e vivemos tentando nos adaptar ao mercado, ao chefe, à faculdade… ou seja lá ao que for. Pensa comigo. Algumas pessoas são mais falantes e pensam rápido. Outras são mais rápidas que uma flecha e quando você pisca já fizeram o que era preciso. Mas, há quem precise amadurecer a ideia antes de decidir, há quem precise ponderar e avaliar antes de tomar uma posição e uma atitude.

Não quero com isto justificar os procrastinadores de carteirinha. Meu desejo único e verdadeiro é que você reflita.

Qual o SEU tempo? O que VOCÊ precisa para tomar uma decisão, uma atitude? O quanto você ENTENDE e RESPEITA o tempo do outro?


“Não tenha pressa, mas não perca tempo!”

 

Jaqueline Selva, Coach de Carreira e Formadora de Analistas DISC. Texto inspirado nas palavras do Dr. Claudio Senna, estudos sobre metodologia DISC, coaching e principalmente nas minhas próprias experiências.